domingo, 27 de junho de 2010

Nowism e Design de Interiores


Pode-se dizer que alguns costumes e práticas rotineiras comuns há duas ou três décadas atrás só existem nos dias de hoje em nossas memórias. Qual adolescente de classe média não considerava o telefone “fixo” seu inseparável amigo? Qual ser humano com idade acima de quarenta anos não perdeu horas em uma fila de banco para pagar contas e obter extratos bancários? Para pesquisas escolares, recorria-se às enciclopédias. Para contratação de serviços contava-se apenas com as listas telefônicas. Negócios envolvendo milhões foram inviabilizados pela distância e pela impossibilidade de deslocamento do homem. O fator ‘tempo’, elemento precioso no universo empresarial, tinha outra dimensão.
No século XXI os avanços tecnológicos na área da informática revolucionaram o comportamento da sociedade contemporânea. Os microcomputadores pessoais lançados no mercado no final do século XX, viabilizaram a expansão e a difusão de informações. Através deles o homem conheceu a tecnologia digital e aprendeu a dominá-la.


Surgiu, então, a era digital com sua capacidade de conectar o homem ao mundo em tempo real, sem que houvesse necessidade de deslocamento . Através da internet foi possível estar em todos os lugares e saber de todos os assuntos com apenas alguns cliks. O universo virtual, sem fronteiras, transformou o planeta em uma aldeia única.

Como conseqüência positiva, surgiu no cenário mundial o conceito da globalização que, impulsionada pela internet através de vídeos conferências, trocas de e-mails e informações pelo ciberespaço, contribuiu não só para o desenvolvimento econômico mundial como para uma nova percepção do tempo.
 
A era digital transformou a sociedade contemporânea numa sociedade imediatista. Que vive o aqui e agora. Que busca o controle de seu tempo aproveitando-o ao máximo. São pessoas que querem atendimento instantâneo, pois procuram velocidade e praticidade em tudo o que lhes é conveniente. Para elas o mundo virtual se tornou indispensável, uma vez que na web passou a ser possível conseguir qualquer tipo de música, comprar ingressos para todos os tipos de entretenimento, organizar roteiros de viagens com compra de passagens e reservas de hotéis, movimentar contas bancárias, organizar festas, pesquisar preços e comprar produtos, contratar serviços e etc sem sair de casa e no momento que for mais oportuno.

Percebendo esta atual tendência, muitos prestadores de serviço, incluindo os designers de interiores, adaptaram com sucesso suas atividades, utilizando o espaço virtual como ferramenta de trabalho. Estes profissionais passaram a se comunicar com seu nicho de mercado através de sites ou ciberfólios (site-portfólio que possibilita não só a apresentação de trabalhos realizados como a interação com o autor através de chats, MSN ou ICQ, com troca de informações em tempo real, envios de e-mails e postagem em blogs) nos quais procuram provocar boa impressão, demonstrar criatividade, capacidade de solucionar problemas e nível de conhecimento cultural. Esta nova modalidade de portfólio possibilita ao futuro cliente de forma imediata, detectar qual profissional melhor atenderá às suas necessidades e expectativas.

Para o designer de interiores, cujo trabalho é executado de forma artesanal desde a elaboração do projeto até sua execução, encaixar-se nesta filosofia do Nowism ou imediatismo irá requerer uma boa dose de perspicácia, pois deverá adequar o processo criativo que envolve tempo, inspiração e muita pesquisa ao dinamismo desta nova demanda. Soma-se a isto, a necessidade de acompanhar a velocidade com que os fabricantes lançam os mais diversos tipos de materiais, ao contrário do que ocorria no século XX, quando os materiais lançados no exterior levavam décadas para serem aplicados no Brasil. Com o advento das tecnologias digitais, tendências internacionais são instantaneamente absorvidas pelo mercado nacional. Por este motivo, manter-se bem informado sobre novidades e tendências nas diferentes áreas do design, da arquitetura e das artes, bem como saber organizar-se objetivando a prestação de pronto atendimento tornou-se premissa para o sucesso profissional do designer de interiores no século XXI. Por outro lado, atualmente, o designer dispõe de inúmeras ferramentas digitais a seu favor. É o caso de sofisticados softwers especializados em desenhos e apresentações que juntos possuem uma fantástica capacidade de dar ao cliente a noção exata e, sobretudo, imediata do resultado final de seu do trabalho.

Uma outra questão favorável ao design de interiores diz respeito a uma nova fatia de mercado que vem se multiplicando na era digital em decorrência dos avanços tecnológicos entre as camadas menos favorecidas da sociedade. Segundo o economista Claudio de Moura Castro,cronista da revista Veja, quase um terço da população tem algum acesso ao computador.
Surge, assim, um novo público a ser atendido que se mantém em conectividade com as atuais tendências pela navegação, mas, embora seja um público que intimamente almeje ter um ambiente em sua residência projetado por um designer de interiores, sente-se, por questões financeiras, impedido de contratá-lo.
Neste cenário, a Oficina do Espaço oferece  a possibilidade de prestar um serviço de consultoria in loco com proposição de soluções instantâneas, baratas e de qualidade para pequenos, porém urgentes problemas. Pelo valor de uma consulta buscamos solucionar necessidades vivenciadas pelo público alvo em questão como criação de um “canto” para estudos; mudança no layout dos ambientes; criação de móveis ou nova pintura para as paredes. Consequentemente,oferecemos a estas pessoas status de um determinado grupo social que elas desejam e merecem pertencer.

Em breve nosso trabalho estará disponível em nosso site que, no momento,encontra-se em desenvolvimento.


Monique Barreto

Nenhum comentário: