sexta-feira, 18 de junho de 2010

Interiores

Existe gente-casa e gente-apartamento. Nada a ver com o tamanho: há pessoas pequenas que você  sabe, só de olhar, que dentro tem dois pisos e escadaria e pessoas grandes, com um interior apertado, sala e quitinete.

Gente-casa não é necessariamente melhor do que gente-apartamento. A casa que alguns tem por dentro pode estar abandonada ,a pessoa pode ser apenas uma fachada para uma armadilha ou bordel. Já uma pessoa apartamento pode ter um interior simples, mas bem ajeitado e agradável. É melhor conviver com um dois quartos, sala, cozinha e dependências do que com um labirinto.

Algumas pessoas não são apenas casas. São mansões. Com sotão e porão e tudo que eles comportam, inclusive, baús antigos, fantasmas e alguns ratos.

É fascinante quando alguem que você imaginava ser mais do que um apartamento com,vá lá, uma suite, de repente se revela um sobrado com pátio interno, adega e solário.

É sempre arriscado prejulgar: você pode começar um relacionamento com alguem pensando que é um quarto e sala e conjugado e se descobrir perdido em corredores escuros, correndo o risco de abrir uma portae dar no quarto de uma tia louca...

Pensando bem, todo mundo, tem uma casa por dentro, ou no minimo, bem lá no fundo, um, porão. Ninguem é simples. Tudo afinal é só a ponta de um iceberg e , muitas vezes, quem aparenta ser apenas uma cobertura funcional com quarto, sala, cozinha e lavabo, só está escondendo masmorras.


Texto do escritor barsileiro Luis Fernando Veríssimo em "O Melhor das Comédias da Vida Privada"

2 comentários:

martha disse...

Muito bom Claudia!!! parabéns!!! adorei.

Beijos

Martha Drubi

oficina do espaço disse...

Este é o inicio de um longo relacionamento!!!!!