domingo, 26 de dezembro de 2010

Tal casa, tal dono

De que modo a decoração da sua casa pode te representar?

Quando escolhemos um objeto pelas sua forma, textura ou valor podemos dar uma dica de quem somos. Porém, as vezes, a escolha dos objetos que nos cerca não é feita para a nossa real personalidade e sim para o personagem que queremos ser.

O espaço da casa quando é ambientado para o personagem ele reflete como a pessoa quer ser vista. Mas quando o individuo arruma a sua casa com objetos que realmente lhes diga algo, estes personificam lembranças de fatos e pessoas, serão simbolos da sua personalidade, modo de vida, grupo social, ou seja, serão uma continuação do seu dono.

Com certeza esta casa terá personalidade e alma que tantas pessoas desejam por ai...


Claudia Amaral

Texto inspirado: no cap 3 Tal dono tal objeto. LOPES, Luis Pauloda Moita e Bastos, CABRAL Liliana,Identidades: Recortes Muli e Interdiciplinares, Ed. Mercado das Letras,2002

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Mostra Rio + Design



A exposição terá cerca de 40 peças de design que segundo curador Ricardo Leite, traçarão um panorama do design carioca.

O objetivo é atrair o publico que considerá o design como algo inatingível.

Fazem parte da mostra designers como a dupla Mendes-Hirth com a cadeira "Pedro", feita só com encaixes, a mesa " Zuleida" de Pedro Moog e a mesinha "Gaijin" de Bruno Novo.
  



Relógio " City Rio" de Bruno Bertani

"Mesa" de Bruno Bertani

"Smarthydro" de Guto Índio da Costa

domingo, 24 de outubro de 2010

Que interior é esse ?

A liberdade cabe dentro de uma mala, custei a acreditar!

Um tempo atrás, na época da tragédia do furacão Katrina, nos EUA, assisti a um programa na televisão sobre a ajuda prestada às vitimas, sendo que uma delas ganhava uma casa de presente da apresentadora. Esta vítima havia ficado 6 meses em um estádio de futebol. Ela tinha saído de casa somente com as roupas do corpo, e suas palavras foram iguais as minhas: ¨Eu não precisava de nada daquilo para viver.”

De que interior estamos falando?

Será que precisamos preencher nossos espaços com coisas materiais para viver? Ás vezes, somos capazes de criar necessidades urgentes para consumir, mas quais seriam nossas reais necessidades?

Reavaliar prioridades, rever o que era essencial, avaliar o limite do supérfluo e do necessário. Precisamos aprender a consumir o que é indispensável e a re-pensar o que seria realmente urgente.

Este interior de que falamos, está, na verdade, dentro de nós e de alguma forma sempre será refletido nos espaços físicos que habitamos. É aí que surge o grande paradoxo do nosso trabalho.

Lidamos com vidas de valores pouco práticos e por vezes fúteis. Muitos desses valores são movidos apenas pela vontade de “ter”, de “consumir”, e de se auto-afirmar. Questionando-os, podemos perceber como é o interior de cada um. Mas será que, como profissionais, nós devemos mesmo fazer esse tipo de questionamento? Será que também está em nossas mãos, além da construção do interior de espaços, a construção de valores humanos?

Convivendo neste mundo fútil, talvez seja nosso dever tentar administrar o lado do consumo aliando a praticidade da vida a algo naturalmente prazeroso.

Estamos vivendo em grandes armários e aproveitando nossos espaços para guardar bens materiais, mas esquecemos o que deveria ser verdadeiramente importante, como o simples fato de viver, ter experiências, compartilhar sonhos. Deveríamos aproveitar os espaços para convivermos com as pessoas, tendo nosso tempo calmo e contemplativo.

Como poderíamos então, orientar um cliente que quer construir mais armários a não fazê-los? E ao contrario de suas expectativas, como poderíamos induzí-lo a se desfazer dos excessos? Será que temos que sair de casa para enxergar que não precisamos de armários para viver?

Bens materiais são palpáveis e proporcionam diversas sensações de prazer, sucesso, poder. É mais fácil consumir. Então, compra-se mais armários, faz-se mais prateleiras com mais coisas, e sobra menos espaço para circularmos, até mesmo para enxergarmos uns aos outros. Penso que é este interior que deveria ser reavaliado. Às vezes fica impossível lutar contra o consumo, mas podemos selecionar melhor o quê e por que estamos consumindo mais. Deveríamos tentar enxergar novas soluções para problemas velhos ou ver nos problemas velhos, novas possibilidades de mercado.

O mercado de consumo está repleto de opções para todas as classes sociais e a mídia age induzindo as pessoas ao consumo. Nós, designers de interiores, temos que colocar toda esta tecnologia a nosso favor e usar o nosso conhecimento para beneficio comum, fazendo do nosso interior, uma fonte de consulta.

Mas, de que interior mesmo, nós estamos falando?

Muitas vezes ele pode não passar do lugar onde vivemos. Portanto, este interior no qual nós trabalhamos, o mesmo que moldamos e certamente influenciamos, deve ser o espelho do bem-estar que sentimos, sabendo que proporcionar bem-estar com o “material” nem sempre é necessário. Se pudéssemos reformar a dignidade das pessoas para que elas sintam prazer de viver; se pudéssemos projetar mais amor próprio nos outros, ou construir novos ideais de vida, isso sim seria moldar o design do maior dos interiores.

Infelizmente esta habilidade não é uma cadeira acadêmica, não podemos mudar o outro. Nossa profissão permite entender desejos e problemas, e propor uma solução. Devemos ouvir o interior das pessoas e direcionar escolhas.
As escolhas, porém, serão sempre fruto de valores próprios. O ambiente decorado, reformado ou re-projetado pode carregar inúmeras obras de arte e lindos objetos de decoração, mas o que transparece, serão sempre os valores. A consciência do que é realmente necessário, fica por conta de cada um. Este interior, portanto, é principalmente o interior do outro, não o nosso.

Estamos falando do interior que nos move.

É ele que nos faz mudar o exterior no qual habitamos.

É ele que nos faz influenciar o interior da casa dos nossos clientes.

E ele, é o quê nos inspira a sempre buscar novas maneiras de viver.




Elza Victor

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Vaso sanitário TOTO Washlet S400

Vaso high-tech tem jatos de água morna, secador e controle remoto. Endinheirados do Japão e dos EUA têm aderido à novidade.


TOTO Washlet S400
 
A Fabricante japonesa de vasos sanitários Toto,  pioneira nos chamados "washlets", termo genérico empregado no Japão para todos os vasos sanitários de alta tecnologia, capazes de operar como bides.


Com a esperança de conquistar maior  adesão entre os norte-americanos, a Toto lançou uma campanha publicitária cujo objetivo e tornar conhecidos os seus produtos entre os consumidores.

Outro objetivo é convencê-los de que os bidês tecnológicos, embora estranhos e intimidantes para os desacostumados, são mais higiênicos e agradáveis do que o uso de papel higiênico. "O papel higiênico só distribui o problema", disse Lenora Campos, porta-voz da Toto USA, em Nova York. "Sempre que limpamos qualquer outra coisa, usamos água, certo?", indagou.
A maioria dos washlets vem com assentos aquecidos, um jato de água que se estende sob o assento e borrifa água morna, um secador e um controle remoto que permite ajustar a temperatura do assento do vaso e a da água.


Embora cerca de 60% dos domicílios japoneses disponham de washlets, a Toto encontrou sucesso limitado em seus esforços de expansão, desde que abriu sua subsidiária norte-americana, em 1990.


A base de clientes está limitada a residências de alta renda e hotéis de luxo como W Hotel, na Times Square, em Nova York, e a clientes empresariais como a sede do Google.


Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,, MUL96367-6174, 00.html

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

E o assunto é ... Torneiras

Elas podem ser lúdicas

Torneira luminosa com sensor de calor - leds com cores. 


Fica super interessante em banheiro de crianças e ainda serve como um alerta para protegê-las contra queimaduras.
Na realidade, é um adaptador para torneiras com leds que mudam de cor de acordo com a temperatura da água.


Luz Verde, quando a temperatura da água estiver até 30 graus; Azul, quando a temperatura estiver entre 30 e 35 graus; Vermelho, quando a temperatura da água estiver acima dos 35 graus. Acima de 45 graus a luz vermelha ficará piscando.



Ou ecológicas
São  uma ótima opção para ajudarmos a cuidar de nosso planeta.
Estas torneiras possuem sensores que reduzem o consumo de água em até 77%.
Selecionamos aqui algumas  com um design bem caprichado.


Torneira
Zenit DocolTronic

Possui sensores de aproximação que são acionados por uma bateria de longa durabilidade que garante seu funcionamento também no caso de falta de energia. Da Docol.


Torneira Eco
Possui dois sensores - dependendo do posicionamento das mãos libera água (sensores frontais) ou sabonete (sensores laterais). Da Japi. 

Torneira Jean Nouvel

Criada pelo designer Jean Nouvel, é acionada por sensores com símbolos indicativos.

Torneira Ecotok


É acionada por  toque em qualquer parte da torneira e o desligamento é automático. Da Japi.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

As cores do momento

Macarons


As novas tendências de cores são os tons dos macarons.  Estas delícias francesas estão emprestando seus tons  para colorir os ambientes e a moda.

No Casa Cor  Rio de Janeiro 2010, as novas cores estavam nos espaços de Jairo de Sender e da dupla Tiana Meggiolaro e Bia Lynch.

Na moda temos a nova coleção de tênis Nike e os esmaltes Risqué.



Sala de Jantar , Jairo de Sender


Home Office , Tina Meggiolaro e Bia Lynch


Coleção de esmaltes Risqué , Reinaldo Lourenço


Tênis Nike

Fontes: internet e revista  o globo de 5 de setembro de 2010.

domingo, 5 de setembro de 2010

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Programa do mês de setembro

Neste mês de setembro  começa o Casa Cor Rio, que em 2010  completa 20 anos.

Palacete Modesto Leal
São 61 ambientes criados no Palacete Modesto Leal, Rua das Laranjeiras 304, com o mote " Preservar o Passado com um Pé no Futuro " .


A Mostra vai de 3 de setembro a 13 de outubro.
O horário é de terça a sábado das 12:00 às 22:00 hs e domingo das 10:00 hs às 20:00 hs.


Família Cozinha: Arquiteto Leonardo Pascual

terça-feira, 17 de agosto de 2010

domingo, 8 de agosto de 2010

Agenda do mês

MORAR MAIS POR MENOS

A mostra acontece entre os dias 12 de agosto e 19 de setembro e terá 77 espaços, mais uma vez, ocupará a sede do educandário Pequena Cruzada de Santa Therezinha do Menino Jesus, na Lagoa.


'Espaço entre amigos' da dupla de arquitetos Francisco Palmeiro e Giovanna Eirado.

O propósito é mostrar espaços que cabem no bolso, com direito a soluções sustentáveis e uso de materais artesanais. 

'O apartamento da mulher' da dupla Márcia Lira e Paula Wanderley.


MASTER CASA

O evento será realizado pela 2ª vez no Castelo de Itaipava e acontece entre os dis 15 de julho a 22 de agosto.




Fonte:http://oglobo.globo.com/economia/morarbem/mat/2010/08/06/morar-mais-por-menos-traz-projetos-criativos-solucoes-funcionais-917330347.asp
http://www.mastercasa.com.br/default.htm

quarta-feira, 21 de julho de 2010

A Nanotecnologia e o Design de Interiores

Todos os elementos encontrados na natureza são compostos por átomos. A nanotecnologia é um processo que consiste em manipular estes átomos para transformá-los em materiais novos. Para se ter noção da dimensão, um “nano”, equivale a um milímetro dividido um milhão de vezes. A idéia do que é nanotecnologia foi descrita por Feyman em sua palestra em 1959 “There’s Plenty of Room at the Bottom” ( “Há Bastante Espaço Lá Embaixo”).


Com esta nova possibilidade, estão surgindo novos materiais, mais fortes, mais leves, mais flexíveis e mais eficientes, com inúmeras aplicações em vários campos. Como vantagem pode-se citar a economia de energia, proteção do meio ambiente e o menor uso de matérias primas. Temos como exemplo, o aerogel, o sólido mais leve do mundo, um nanoisolante, composto de 99,95% de ar. Os nanotubos de carbono, já são mais duros que o diamante e são usados em equipamentos de esportes, barcos e carros. Também fazem parte da composição da cadeira Myto, da Plank, cuja viabilidade de seu desenho com duas pernas são graças ao material utilizado.


Como exemplo dentro da área de Design de Interiores, temos o Biophor. Que foi desenvolvido por meio de parceria do Instituto de Química (IQ), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a empresa multinacional Bunge. Consiste em um pigmento branco para tintas, fabricado a partir de nanopartículas de fosfato de alumínio. O produto vai substituir o dióxido de titânio que é altamente toxico e atualmente é usada como matéria prima de tintas à base de água.


Pode-se utilizar a nanotecnologia também, para manter pisos e paredes de banheiros e cozinhas livres de bactérias sem utilizar materiais de limpeza que normalmente contém produtos tóxicos. O químico Thiago Sequinel, da Universidade Estadual Paulista (Unesp, campus de Araraquara), desenvolveu um novo método para fixar nanopartículas de óxido de titânio e de prata (que têm propriedade bactericida) em azulejos de cerâmica. As peças são submetidas à pressão elevada e temperatura em torno de 450ºC. “Desse modo o filme não se desprende do azulejo ou de qualquer outro substrato no qual esteja aplicado”, explica Sequinel. O caráter bactericida persiste enquanto durar a cerâmica.


A nanotecnologia pode ser um caminho para a casa ecologicamente correta, porém ainda não se sabe ao certo o seu impacto sobre os seres humanos e sobre a natureza. O mérito desta nova tecnologia está em estudar uma saída para se chegar ao paradigma de uma convivência sustentável com a natureza.


Claudia Amaral


Bibliografia:

• Como medir o risco dos nanomateriais? Por: Carlos Alberto dos Santos
Publicado em 24/07/2009
Atualizado em 15/12/2009 http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/do-laboratorio-para-a-fabrica/como-medir-o-risco-dos-nanomateriais/?searchterm=Como%20medir%20o%20risco%20dos%20nanomateriais? Acesso: 11 de julho de 2010.
• Tecnologia invisível Por: Silvia Gomez
Revista Casa Claudia – 06/2010
http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2010/02/revestimento-a-toda-prova/?searchterm=Revestimentoa  toda prova, acesso 11 de julho de2010

domingo, 27 de junho de 2010

Nowism e Design de Interiores


Pode-se dizer que alguns costumes e práticas rotineiras comuns há duas ou três décadas atrás só existem nos dias de hoje em nossas memórias. Qual adolescente de classe média não considerava o telefone “fixo” seu inseparável amigo? Qual ser humano com idade acima de quarenta anos não perdeu horas em uma fila de banco para pagar contas e obter extratos bancários? Para pesquisas escolares, recorria-se às enciclopédias. Para contratação de serviços contava-se apenas com as listas telefônicas. Negócios envolvendo milhões foram inviabilizados pela distância e pela impossibilidade de deslocamento do homem. O fator ‘tempo’, elemento precioso no universo empresarial, tinha outra dimensão.
No século XXI os avanços tecnológicos na área da informática revolucionaram o comportamento da sociedade contemporânea. Os microcomputadores pessoais lançados no mercado no final do século XX, viabilizaram a expansão e a difusão de informações. Através deles o homem conheceu a tecnologia digital e aprendeu a dominá-la.


Surgiu, então, a era digital com sua capacidade de conectar o homem ao mundo em tempo real, sem que houvesse necessidade de deslocamento . Através da internet foi possível estar em todos os lugares e saber de todos os assuntos com apenas alguns cliks. O universo virtual, sem fronteiras, transformou o planeta em uma aldeia única.

Como conseqüência positiva, surgiu no cenário mundial o conceito da globalização que, impulsionada pela internet através de vídeos conferências, trocas de e-mails e informações pelo ciberespaço, contribuiu não só para o desenvolvimento econômico mundial como para uma nova percepção do tempo.
 
A era digital transformou a sociedade contemporânea numa sociedade imediatista. Que vive o aqui e agora. Que busca o controle de seu tempo aproveitando-o ao máximo. São pessoas que querem atendimento instantâneo, pois procuram velocidade e praticidade em tudo o que lhes é conveniente. Para elas o mundo virtual se tornou indispensável, uma vez que na web passou a ser possível conseguir qualquer tipo de música, comprar ingressos para todos os tipos de entretenimento, organizar roteiros de viagens com compra de passagens e reservas de hotéis, movimentar contas bancárias, organizar festas, pesquisar preços e comprar produtos, contratar serviços e etc sem sair de casa e no momento que for mais oportuno.

Percebendo esta atual tendência, muitos prestadores de serviço, incluindo os designers de interiores, adaptaram com sucesso suas atividades, utilizando o espaço virtual como ferramenta de trabalho. Estes profissionais passaram a se comunicar com seu nicho de mercado através de sites ou ciberfólios (site-portfólio que possibilita não só a apresentação de trabalhos realizados como a interação com o autor através de chats, MSN ou ICQ, com troca de informações em tempo real, envios de e-mails e postagem em blogs) nos quais procuram provocar boa impressão, demonstrar criatividade, capacidade de solucionar problemas e nível de conhecimento cultural. Esta nova modalidade de portfólio possibilita ao futuro cliente de forma imediata, detectar qual profissional melhor atenderá às suas necessidades e expectativas.

Para o designer de interiores, cujo trabalho é executado de forma artesanal desde a elaboração do projeto até sua execução, encaixar-se nesta filosofia do Nowism ou imediatismo irá requerer uma boa dose de perspicácia, pois deverá adequar o processo criativo que envolve tempo, inspiração e muita pesquisa ao dinamismo desta nova demanda. Soma-se a isto, a necessidade de acompanhar a velocidade com que os fabricantes lançam os mais diversos tipos de materiais, ao contrário do que ocorria no século XX, quando os materiais lançados no exterior levavam décadas para serem aplicados no Brasil. Com o advento das tecnologias digitais, tendências internacionais são instantaneamente absorvidas pelo mercado nacional. Por este motivo, manter-se bem informado sobre novidades e tendências nas diferentes áreas do design, da arquitetura e das artes, bem como saber organizar-se objetivando a prestação de pronto atendimento tornou-se premissa para o sucesso profissional do designer de interiores no século XXI. Por outro lado, atualmente, o designer dispõe de inúmeras ferramentas digitais a seu favor. É o caso de sofisticados softwers especializados em desenhos e apresentações que juntos possuem uma fantástica capacidade de dar ao cliente a noção exata e, sobretudo, imediata do resultado final de seu do trabalho.

Uma outra questão favorável ao design de interiores diz respeito a uma nova fatia de mercado que vem se multiplicando na era digital em decorrência dos avanços tecnológicos entre as camadas menos favorecidas da sociedade. Segundo o economista Claudio de Moura Castro,cronista da revista Veja, quase um terço da população tem algum acesso ao computador.
Surge, assim, um novo público a ser atendido que se mantém em conectividade com as atuais tendências pela navegação, mas, embora seja um público que intimamente almeje ter um ambiente em sua residência projetado por um designer de interiores, sente-se, por questões financeiras, impedido de contratá-lo.
Neste cenário, a Oficina do Espaço oferece  a possibilidade de prestar um serviço de consultoria in loco com proposição de soluções instantâneas, baratas e de qualidade para pequenos, porém urgentes problemas. Pelo valor de uma consulta buscamos solucionar necessidades vivenciadas pelo público alvo em questão como criação de um “canto” para estudos; mudança no layout dos ambientes; criação de móveis ou nova pintura para as paredes. Consequentemente,oferecemos a estas pessoas status de um determinado grupo social que elas desejam e merecem pertencer.

Em breve nosso trabalho estará disponível em nosso site que, no momento,encontra-se em desenvolvimento.


Monique Barreto

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Mostra de Decoração Casa Cor São Paulo 2010

A Casa Cor, está acontecendo no período de 25 de maio a 13 de julho , no Jockey Club de São Paulo (Av. Lineu de Paula Machado 1075, Cidade Jardim). Este ano o tema é " Sua casa,sua vida, mais sustentável e feliz". São vários ambientes lançando tendências em arquitetura, decoração e paisagismo.


O espaço Loft Sustentável da arquiteta Fernanda Marques ganhou o prêmio Projeto mais sustentável.


João Armentano com o ambiente Porão levou os prêmios de projeto mais original e mais ousado.


O evento conta com as mostras simultâneas Casa Hotel, Casa Kids e Casa Talento. E este ano o homenageado é o urbanista Lúcio Costa, aproveitando a celebração dos 50anos de Brasília.




Área externa do ambiente de Débora Aguiar




Fontes: http://www.casacor.com.br/saopaulo/  , acesso 22/06/2010
http://oglobo.globo.com/economia/morarbem/mat/2010/05/24/casa-cor-sao-paulo-abre-suas-portas-com-quatro-mostras-simultaneas-916674443.asp , acesso 23/06/2010